SEXO 24 de agosto de 2015

O que mudou na minha cabeça nos últimos 8 anos

PAR73654_approach

Nos últimos posts recebi pedidos de leitoras querendo que eu opinasse sobre o que mudou (ou não) na minha cabeça de 8 anos pra cá, quando escrevi meu primeiro post no blog.

Levantei alguns asuntos. Vamos lá:

1-) Relacionamento a distância – Eu tinha meu pé atrás com namoro a distância até começar a namorar uma garota de outro estado. Foi então que tive certeza que não funciona. O começo é uma maravilha, pois aquela vontade de estar junto vai aumentando ao longo dos dias (ou semanas) e quando você finalmente a encontra, rola uma explosão acumulada até o momento da depressão que é a despedida, mas ela faz parte dessa montanha russa de emoção que a relação a distância. O problema começa a surgir após o primeiro ano. Depois dos 25 anos de idade, você não namora uma pessoa se não pensa que com o passar do tempo subirá alguns degraus na relação (como morar junto, casar, etc). Ai se não há um plano de no curto/médio prazo estarem no mínimo morando na mesma cidade, a relação não funciona e se “funciona”, novos(as) figurantes entram em cena (falarei mais abaixo sobre traição).

2-) Transar no primeiro encontro – Essa foi uma das mudanças que mais me surpreendeu. Sempre preguei para as mulheres não transarem no primeiro encontro se quisessem algo sério. Ok, isso ainda vale para homens com uma mente mais conservadora, mas no geral não é algo crítico. Uma coisa é transar na primeira vez com alguém que você já conhece ou conversou por um tempo, a outra é ir pra cama com um cara que você acorda e nem lembra o nome. Se o seu objetivo é só dar e dane-se o amanhã, então vai pro oba-oba e viva la vida.

Mas vejam só. Quando eu estava nos Estados Unidos, conheci uma americana no Tinder que mal conversamos. No primeiro encontro ela foi me buscar numa balada e fomos pra minha casa transar. Assim facinho. Mas se eu morasse lá, seria provável que a pediria em namoro tamanha a afinidade nos assuntos, visão de mundo e química. A vida não é preto no branco, aprendi a ver as ~matizes~ e derrubar o machismo que fui criado.

3-) “Ligar” no dia seguinte – Coloco entre aspas, pois quem liga hoje em dia? Tem coisa mais chata que receber uma ligação e parar tudo o que está fazendo? Hoje, ligar virou algo tão íntimo e privado que se uma garota me liga no dia seguinte que a conheci, vou achar que ela está com algum problema ou desesperada. Vamos aproveitar a tecnologia a nosso favor. Conheceu o cara, trocaram contatos e ele não apareceu, puxe assunto de forma tranquila. Ano passado, uma semana antes de embarcar para a minha viagem, conheci uma tremenda gostosa em uma das baladas de despedida. Trocamos contato e eu muito louco, dia seguinte não lembrava o nome dela, olhava a minha agenda e ficava desesperado com tanto nome e eu sem ideia alguma de quem era ela ali. Juro pra vocês, uma semana depois, quando eu estava sentado no avião esperando fechar o embarque, a garota mandou mensagem. Tarde de mais. Porém, gostei do jeito que ela me abordou, “Oi cafa, vai na She Rocks hoje de novo?”. Se eu fosse, seria um convite para encontra-la; se não fosse, seria uma oportunidade para chama-la pra fazer algo; e se eu não quisesse vê-la simplesmente falaria que já tinha outro compromisso e não falaria mais nada.

4-) Importância do sexo – Eu costumava dizer que o sexo tinha importância em 75%, hoje penso que tem 70%. Não dá pra tirar o peso dele da matemática de uma relação. Se o casal se dá super bem, é carinhoso um com o outro, são parecidos e etc mas o sexo é uma bosta, vira amiguinho. Ponto. Eu quebrava o pau com a minha ex, mas na cama era uma coisa absurda e todos os problemas eram superados, ainda que temporariamente. Outro ponto, com o passar dos anos a frequência do sexo diminui e se a qualidade não é boa, difícil a relação funcionar.

5-) Pagar a conta – Antigamente eu defendia que a conta deveria ser dividida, mas hoje penso de uma forma um pouco diferente. Sempre critiquei o feminismo de conveniência, em que a mulher briga por igualdade dos sexos, mas quando vem a conta do restaurante ela prefere voltar a ser submissa ao homem e acha cavalheiro o cara pagar. Contraditoriamente, não curto dividir, o ato de passar duas vezes a máquina do cartão me incomoda e o garçom sempre faz cara de bunda. Sempre proponho a pagar, mas acho de bom tom a garota oferecer pra dividir. Se ela insiste, proponho que na próxima saída ela escolha o restaurante e retribua a minha gentileza. Obviamente já teve muito espertinha que se fez de morta no acordo, mas ai já demonstra algo da personalidade dela que logo a transforma em mais uma na minha agenda.

6-) Limites no sexo – Sempre preguei colocar limite no sexo e mantenho a minha opinião. Acho bacana e importante explorar o sexo, descobrir novas ~formas de prazer~, posições e tal. Porém, você precisa colocar um freio e limites, pois o sexo por si só é uma estrada sem fim e limite de velocidade. Você vai pegando velocidade, sentindo o ventinho na cara, é gostoso né? Ai pisa mais forte, aumenta a sensação de prazer e vai acelerando até chegar numa curva e quebrar a cabeça. Recomendo um filme muito bom sobre o assunto (“Kinsey – Vamos Falar de Sexo”). Esse cara foi um dos primeiros sexólogos nos Estados Unidos e em sua pesquisa começou a mergulhar no sexo para entender todas as formas de prazer e no final acabou se multilando (e quase louco), pois descobriu que algumas pessoas sentiam prazer na dor e queria comprovar. Quando me masturbo, as vezes penso, “cara se eu morresse agora e alguém olhasse por onde ando navegando no Elephantube, seria algo que mancharia minha reputação? Não, ai volto a bater uma. Claro, enquanto é uma mera fantasia, o problema não é tão grande, mas a partir do momento que você a executa, ai vem os riscos.

7-) Tamanho não é documento e mulher-repolho – Acho uma hipocrisia tão grande quando vejo pessoas dizendo que tamanho não é documento. Todas as garotas que eu conversei sobre o assunto dizem que influencia sim, que pelo menos é preciso ter um tamanho mínimo e não pode ser fino. É óbvio que o cara precisa saber o que fazer com uma arma na mão, não adianta ter uma bazuca e não saber atirar, por outro lado o que adianta o cara ter um estilingue, ser ótimo atirador, se no máximo consegue matar passarinho? Você ai dando risadinha, mas saiba que homens também julgam a sua perereca. Poucos homens gostam de mulher-repolho. Mas não desespere, eu odeio minha altura (não vou falar qual é) e sei que é uma nota de corte para um monte de mulher, mas confio nos meus outros atributos para compensar.

8 -) Traição – Esse é um assunto beem delicado e provavelmente no futuro escreverei um post a respeito. Eu era taxativo, abominava traição em namoro, pois seguia o lema que se fosse pra chifrar, não namorasse. E lá veio a vida me dar uns tapas na cara. Meu primeiro namoro (longo) eu não trai, simplesmente não sentia vontade de pular a cerca. Porém, o segundo virou uma várzea. Cheguei a pontos despeitosos que não me orgulho e me arrependo hoje em dia. Só que eram tantos fatores envolvidos (entre eles a distância e insegurança com a garota) que simplesmente acontecia. Ao contrário do que dizem, eu não ia procurar em outras o que eu não tinha com a garota, pois na verdade ela era o meu número em todos os aspectos. Ela descobriu e me perdoou. E pasmem (adoro essa expressão), no final do namoro, descobri que ela também me traia. E pasmem (2), eu a perdoei. Só que meses depois percebi que as traições (minha e dela) poderiam voltar a ocorrer, pois o problema estrutural, o que nos levou a trair, não foi resolvido. Ok, foi dado o perdão, mas a causa não foi tratada. É como um doente que está com dor e ao invés de identificar a doença, o médico receita analgésico. Ele funciona por um tempo, mas depois a doença piora e mata o paciente.

  • Lorena Garavito

    Eu passei o domingo inteiro, querendo ler um novo texto seu. Dei pulinhos e bati palminha igual uma retardada quando vi o texto novo. Haha!! ;**

    • cafa

      Hahahaha :)

  • http://andmyfuckinglifegoeson.blogspot.com.br/ Dani Antunes

    Cafa querido, tô gostando de ver sua fase mais madura. Você tá quase me fazendo acreditar que cafas ainda têm salvação! hahahahah
    Bem-vindo de volta… Muito bom te ler de novo, depois de um jejum de tanto tempo. (Não se sinta, mas tenho que dizer que os “substitutos” não me prenderam na leitura. Vida longa à nova fase do blog! 😉

  • Mariana Darafiori

    Você continua incrivellllll!

  • Rosana

    Muito bom…Como não se identificar em seu texto

  • Vanessa Corrêa

    Minha nossa, texto no final do domingo??? Eu estou de boca aberta…Cafa você voltou com força total!!!rss Sobre o texto, concordo com você em praticamente todas as coisas que colocou..impressionante como o tempo passa e nossa cabeça muda!! Fico feliz que crescemos juntos Cafa…você abriu nossos olhos na adolescência e está abrindo novamente em nossa nova fase adulta, pois várias das coisas que você colocou eu nem tinha notado o quanto minha opinião tinha mudado!! Feliz com tudo isso Cafa e esperando ansiosamente o próximo post!!

  • Anna Karolina Lobão

    Ta melhor viu…Menos machista,q bom!

  • May

    Estou amando os textos e a frequência, continue assim!
    Se puder me responder:
    Você se sentia culpado quando traía?
    Você namorou duas nesses 8 anos de intervalo no blog?
    Foram realmente 8 anos??? Nossa!!

  • Rita Vieira Coelho

    Mulher repolho?!?!? Por favor, descreva isso! Rsrs

    • Lizzah Simpson

      mulher com pequenos lábios não tão pequenos

      • Rita Vieira Coelho

        HAHAHAHA… Que horrível! Rsrs… Obrigada!

  • Ana Raquel Barros

    <3

  • http://www.arfortaleza.com Alexandrina Oliveira

    Bom ver como vc mudou, evoluiu, fico me imaginando lendos seus posts daqui umas décadas contando suas experiências na terceira idade, mas até lá te acompanharei. Sucesso Cafa.

  • Thay

    Texto no domingo a noite? Isso sim prova mudança haha amadureceu, relacionamentos ajudam muito para isso. É bom perceber que não só vc mudou, nós (leitoras) também, mudei alguns conceitos também.

  • Maíra Viana

    Cafa, você não imagina a falta que fez! Fico muito feliz que você tenha voltado, cheio de experiências pra compartilhar. Desde que conheci teu blog, em 2011, muita coisa também mudou na minha vida e na minha forma de enxergar o mundo e as pessoas. É muito bacana acompanhar esse amadurecimento e as comparações são inevitáveis. Sinceramente, tô adorando o que tenho lido, como se você tivesse se tornado um homem “possível”. Apesar de ter me identificado contigo de cara, às vezes me incomodavam algumas abordagens, talvez devido às nossas diferenças culturais (sou do Acre). Você conseguiu melhorar o que já era muito bom… Parabéns pelo retorno!!!

  • Claudia Bertolozzi

    Parabens por mudar da ideia sobre sexo no primeiro encontro… Uma das poucas coisas que não gostava em vc, acho super machista! Se rola tesão, bora que o bonde pode não passar de novo. E se for bom, que passe mil vezes rsrs

  • Elizangela

    Ando preocupada… Sua maneira de falar (escrever) mudou tanto, que releio os post’s pra ter certeza de que o meu cérebro não tem deletado frases do seu humor ácido.
    Não anda terceirizando, né?

    • cafa

      Não.

  • Jaqueline Baboni

    O tempo passa, e com essa passagem é preciso aprender, são tantas lições que a vida nos prega.
    Acho que o tempo para certas pessoas só melhoram o conteúdo, como vinho né.
    É palpável a diferença do conteúdo que você propõem hoje, lembro que ria horrores de seus posts, quando trabalhava em um escritório dia de postagem sua era sagrado. Sempre comentávamos era o assunto que rendia no almoço, café da tarde.
    Hoje certamente suas leitoras evoluíram e como você também pensam de forma diferente, é muito legal ver esse contraste, muitas das vezes não conseguimos identificar em nos mesmos. Sempre quando não temos contato com certas pessoas por um bom tempo costuma-se dizer, “nossa como você mudou” seja como for mudanças são bem vindas elas nos enriquece e nos abastece de histórias para contar.
    Como é legal acompanhar suas histórias de novo.

  • Lu

    Aaaaaaah, agora sim! Confesso que não estava mais me identificando muito com os posts (por favor, não me leve a mal), mas esse eu curti!

    Fico muito feliz que você tenha mudado sua opinião em relação a determinados assuntos. De fato, julgar uma mulher apenas pelo fato de ela ter transado no primeiro encontro é de uma mediocridade sem tamanho. Infelizmente, na nossa sociedade, é confundida a sexualidade feminina com o caráter. Ponto pra você que conseguiu fazer uma autocrítica e chegou à conclusão que estava limitado no seu pensamento!

    Olha, quanto ao tamanho ser documento, tenho lá minhas dúvidas… Claro, nenhuma mulher (ou homem) ficará satisfeita com um micro-pênis (existe até um doc sobre isso, mas não me lembro o nome), porém um pau enorme é uma grandissíssima de uma merda. Machuca, assa, causa um puta dum desconforto, ou seja, é horrível! Melhor pau: tamanho médio, com uma espessura considerável. Se eu pudesse dar uma sugestão aos homens (espero que vocês leiam aqui!) seria: APRENDAM A FAZER SEXO ORAAAL!!! Olha, essa é a grande reclamação das mulheres, viu? Por favor, procurem um tutorial no youtube, leiam sobre o assunto, sei lá, deem um jeito, mas aprendam a fazer isso! Ah, e também não façam sexo como se fossem uma britadeira desgovernada, isso também não é legal e machuca!

    Agora, uma coisa que me deixou um tanto quanto desolada foi o negócio da traição :( Agora é fato: não conheço nenhum homem fiel. É triste, porque é um negócio que machuca muito. Por outro lado, também não sei até que ponto a monogamia funciona. Na verdade, já provou que não funciona porra nenhuma, né? Enfim, esse é um assunto que tenho pensado muito, mas acho que não tenho estrutura emocional para encarar uma relação mais aberta, o que seria bem mais honesto para ambas as partes.

    No mais, te desejo novamente que seja bem-vindo! Para mim, você voltou hoje. Gosto bem mais quando você entra no modo reflexivo!

    Beijos!

    • cafa

      :)

  • Fernandinha Reynol

    Achei que nunca fosse ler esse tipo de post vindo do cafa, sei lá, simplesmente contrária muita coisa que já foi dita no passado e que eu achei que nem a maturidade te traria (provavelmente por influência do tal machismo)
    Perfeito… simplesmente o que eu sempre pensei sobre todas essas mesmas questões
    Espero novas histórias e dessa vez com finais ou opiniões bem diferentes das de antes (isso faz do manual intrigante e curioso, no mínimo)

  • Ju Previdello

    Gente mulher repolho? Hahahah to por foraa!

  • L.S.

    Mais sensacional que o post, é saber… Cafa frequenta a She Rocks! uhul! hahahaha

  • Camila ( carioca)

    Adorei a ” retrospectiva”, principalmente no que tange namoro à distância. Já namorei 2x assim e ambos os relacionamentos duraram exatamente 1 ano. Depois disso começa a CANSAR, toda aquela maratona de viagens, gastos e a falta de perspectiva junto. Fora que traição acaba acontecendo mesmo, por mil motivos.

  • Amanda Maia

    Só não concordei com os itens 7 e 8. Já namorei a distancia e ainda acho que traição é inadmissível. E já ouvi muitos homens dizerem que não ligam pra aparência da, vc sabe… E mulheres que tb não ligam para o tamanho.

    • cafa

      Bom, você também pode comer sushi com palito de dente e achar a comida ótima. Só a experiência que não vai ser perfeita.

  • Ana Paula Saraiva

    Realmente. Vc voltou!!!
    Adorei!

  • Bruna Pereira

    “And now I rub my eyes, for he has returned
    Seems my preconceptions are what, should’ve been burned
    For he still smiles, and he’s still strong”

    • cafa

      Off he goes ❤

  • Elete Carvalho

    Menos machista! Amei!

  • Marcella Lacerda

    Só eu que vou sentar na frente do espelho p ver se a minha é de repolho? rsrs

  • Vivi Moraes

    Fico muito feliz em ler esse post… mostra q realmente com o passar dos anos e experiência mudamos opinião e atitudes!!!
    Obs: acho q a expressão “mulher -repolho ” ñ tinha lido antes por aqui.

  • L.S.

    Engraçado ver o Cafa ter admitido ja ter traído e ja ter sido traído (como se ele não fosse humano).
    Obvio que é uma situação pessima, mas acho que nos acostumamos ao lado “trair é uma puta sacanagem”, repito, não que não seja, mas esquecemos do outro lado da moeda, da falta de tempo, do desgaste na relação, da insegurança, falta de atenção, e principalmente falta de sexo.
    Meu ex é empresário, mais velho, sempre trabalhou muito, e eu, estudante de Med. veterinaria e aux vet, que tambem significa trabalhar de domingo a domingo, de madrugadas inclusive caso haja uma emergencia.
    Fui muito feliz com ele, nos curtimos muito, viajamos muito, nos dávamos bem em muita coisa. Enfim, descobri que ele ja havia me traído, e sim, eu tbm ja tinha tido vontade de traí-lo, a falta de tempo, de corpo no corpo, é complicado. Ficamos juntos mesmo asssim, mas acabamos terminando “por problemas estruturais” como nossso Querido Cafa citou. As nossas vidas não iriam mudar num curto espaço de tempo, a falta de tempo não seria resolvida logo, então optamos por terminar. Melhor terminar que virar putaria, como vivemos vendo por aí.
    Não, não tenho raiva nenhuma dele, quando lembro, lembro com o maior carinho. A traição no final não ficou como foco principal do meu antigo relacionamento. Então mulherada, cuidado… existe SIM quem traia por sacanagem, mas as vezes, o problema é bem mais profundo que isso…

  • carolzapinha

    Menos machista ❤
    Mudei muito minha cabeça nesses últimos anos também, e estava justamente pensando se eu deixaria de te admirar por isso. Parece que não (:
    Quanto ao tamanho, tive uma experiência muito boa com um cara bem sacaneado pela natureza, e posso dizer que é difetente sim, porém com a química certa não faz falta.

  • Tuane Caroline

    Passe o tempo, o que for. Uma coisa não muda em vc: SUA SINCERIDADE! :)
    Parabéns! Não pare nunca mais com o blog viu mocinho? rs

  • Camila Ribeiro Moura

    Kkkkk… Mulher repolho é ótimo Cafa!!

  • Grace Savio

    Gostei das transformações… sempre gostei de ler o blog, mas agora está mais maduro, acredito que todos aqui amadurecemos no geral. Bom, eu era adolescente quando comecei a ler, agora sou adulta, no mínimo temos que amadurecer. Feliz em ler novamente seus posts. :)

  • Elaine

    Fico muito feliz por você estar vendo os matizes agora. Isto faz parte do amadurecimento. Lembra que te falei isso? Que com o tempo você não seria menos inflexivel. A vida nos ensina muito. Concordo com vários pontos. Tamanho é importante sim desde que se saiba usar e isso se vê muito pouco. E sexo oral é muito importante para os dois lados. Se bem feito pode compensar muita coisa. E hoje em dia namorar a distância fica muito complicado. A facilidade de encontrar um parceiro é muito grande e as tentações estão sempre nos instigando, parece que a traição virou um prêmio. Acho até que as pessoas se esforçam mais se souberem que você namora.
    Bom, estou adorando a sua vibe de escrever vários textos por semana, está até difícil te acompanhar, mas vale muito a pena. Você escreve com uma facilidade tão grande, tão sincero e autêntico, qualidades que admiro muito. Parabéns Cafa! Você está o caminho certo como blogueiro e como ser humano.

  • Milla

    o que seria mulher-repolho?

  • Kika

    Cafa, você está com quantos anos hoje?

  • Indy

    O que eh mulher repolho?? Kkkkk

  • Nathalie Sterblitch

    Amadureceu, né fofo 😉

  • tamara

    cara, sobre o (4): a tendência é esse percentual cair progressivamente até chegar lá nos 5%, quando você for um velhinho broxa de 80 anos e enxergar o real valor de ter uma companhia ao teu lado — ou não.
    lendo o (2) e (5) vejo que você continua machista. não há por que estabelecer regras sobre quando transar e sobre quem paga a conta; cada caso é um caso, que cada um aja segundo seu próprio juízo.
    lendo o (3) vejo que você não mudou muita coisa e continua dando dicas genéricas pra mulherada. e sim, ninguém liga pra ninguém mais.
    e sobre o (7): um homem não se resume a um pau e uma mulher não se resume a uma xoxota. há de se largar a escrotidão e enxergar as pessoas mais humanamente. se você gosta da mente, se há um carinho mútuo, se há uma interação sexual interessante, o que há entre as pernas é um detalhe que se pode amar, tendo em vista o carinho por aquele ser. ter um pau ou uma xoxota ideal não te faz melhor do que ninguém, um dia seu saco vai arrastar no chão e seu pau vai enrugar como o de todos, e uma xoxota também muda durante a vida, todas secarão um dia. essas questões superficiais são superestimadas; você vai entender quando chegar lá nos 20%.

  • Brenda

    Gostei do “Pasme “