RELACIONAMENTO 31 de janeiro de 2017

Percepções no primeiro encontro

1-bad-date-intro

No post passado falei um pouco sobre percepção, quando comentei a respeito dos pedidos de amigos sobre sugestões de países para visitar. O que pra mim pode ser zuado, para alguém é super divertido, da mesma forma que eu considero um país o máximo e meu amigo que fez a mesma viagem discorde. Isso acontece em relacionamentos e talvez seja um dos principais motivos por eu receber tantos e-mails de “a-noite-foi-maravilhosa-e-ele-sumiu-to-triste”.

Lembro-me de um caso que ilustra bem isso. Eu havia conhecido a garota em um desses aplicativos de ~paquera~ e combinamos de nos encontrar na cidade dela (que ficava próxima a minha). Tinha ido poucas vezes para aquele lugar e a fama não era das melhores, mas como eu estava na seca e ela parecia agradável, aceitei o desafio.

Chegando lá, não havia um restaurante bacana, eram apenas bares copo sujo (que eu até curto, quando estou com amigos) e sambão. Como tenho a desenvoltura de uma passista alemã, optei pela primeira opção. Porém, a menina estava completamente deslocada para o local. Não sou um cara da moda, na verdade ultimamente tenho andado meio maltrapilho, mas a garota trajava um longo preto, portava um salto imenso (um pesadelo para um cara de estatura média) e um creme no cabelo que cheirava sabonete líquido do banheiro do Habibs.

Tentei quebrar um pouco o clima e falar que ela estava bonita, pronta para ir a um baile. Ela apenas agradeceu o “elogio” e seguimos conversando.

Na real conversa não existia, havia um abismo entre nós, e não era apenas altura, sarcasmo e ironia não eram os melhores amigos dela e o papo girava em torno de assuntos pueris e monótonos. Pra piorar, o dono do copo sujo contratou um violeiro que apenas tocava MPB deprê (navegando em fossas do Djavan, Legião e Lenine).

Eu virava litros de cerveja e nada daquilo melhorava, então pedi vinho (um desses baratíssimos e quase intragáveis chilenos) e ai fiquei mais animadinho. Trocamos uns beijinhos e dali fomos pro motel. Ao entrar no quarto já me bateu um arrependimento de estar ali, dei umazinha pra cumprir tabela, gozei em 5 e falei que precisava ir embora. Jurei nunca mais vê-la.

Na noite seguinte recebi um e-mail dela e fiquei mal. Bateu paixonite e ela começou a descrever um encontro que parecer ter existido apenas em sua cabeça. Primeiro ela elogiou a escolha despretensiosa do lugar, que estava tudo perfeito, o vinho, as músicas, o ambiente. O beijo? Foi mágico. O sexo? Um encaixe inexplicável. Eu lia aquilo e por vezes achava que ela havia enviado pra pessoa errada. O e-mail terminou com algo do tipo “quando duas almas se encaixam, o universo conspira a favor”.  Nunca mais nos falamos.

Depois fiquei pensando naquilo e me veio à cabeça várias situações que eu tinha passado em que rolou química, o papo fluiu e tal, mas a garota simplesmente sumiu ou não ficou tão envolvida como eu.  E ai a primeira coisa que vem na cabeça é “poxa, preciso me esforçar para na próxima fazer melhor”. O ponto é que provavelmente você fez o seu melhor, mas a percepção da outra pessoa é que você não é tudo isso e/ou há outras pessoas mais interessantes.

  • Josi

    A gente demora pra sacar essa diferença de percepção, mas quando aprende tira um peso dos ombros, de ficar se cobrando o tempo todo para ser melhor. Claro, devemos sempre ser agradáveis, mas nada como a leveza da espontaneidade para conquistar.
    Naturalidade é chave!

  • Indiara Furtado

    Verdade! Isso acontece e muito comigo. Depois de um encontro com um carinha eu cheguei a questiona-lo (quando ele sugeriu que saissemos novamente ) se ele realmente tinha achado que tivemos quimica,a ponto de rolar um segundo encontro, e ate mesmo sexo. Ele me respondeu que da parte dele sim. Eu n sabia aonde ele tinha visto aquilo. Mas eu resolvi dar uma chance, e ele me saiu bem mais agradável. Saio com ele ate hj!!! Vai entender! !!

    • http://www.manualdocafajeste.com cafa

      Boa sorte! Depois fala como foi 😉

      • Indiara Furtado

        Então, eu venho saindo com ele desde então. A perspectiva mudou, porém não passou de um rolo de uns 5 meses…

  • Tai

    Nossa Cafa, você praticamente previu algo que eu até tava pensando em perguntar por e-mail. Acho tão estranho a pessoa não perceber que não foi legal, que parece que está forçando a barra pra tentar se “redimir”, principalmente quando, no caso dos homens, se trata de sexo.
    Uma vez saí com um cara que secava todas as mulheres à nossa volta e quase não prestava atenção no assunto. Achei que ele não tinha gostado e desencanei. Aí ele começou a ficar atrás e dizer que tinha sido ótimo e que tinha me achado linda.
    Sei lá, sua explicação foi muito boa mas tem umas coisas que as pessoas falam que simplesmente não encaixam.

  • Fernanda

    Oi Cafa!Ja conheço o blog a uns aninhos…lia no inicio…me afastei..esqueci por vezes…de tempo em tempo me lembro e volto a te procurar…Estou seguindo ultimamente…e me divirto!Me identifico bastante.Hj casada,me lembro que na solteirisse me achava “A Cafa”,quando passava por aqui…Ahahaha!To gostando de acompanhar…morei na Europa 9 anos e raxooo quando vc conta particularidades do mundo ai fora…Enfim….Te escrevi pela primeira vez! 😉 Beijos e sucesso! *

  • Que

    Estava este final de semana pesquisando algo na internet e por alguma razão lembrei dos dias que passava lendo o seu blog, e todos os seus conselhos que foram tão valiosos em algum momento da minha vida, senti saudade daquela sensação que era ler todas as suas histórias e resolvi procurar para ver se o blog havia sido reativado!
    Que surpresa gostosa, gostei da ideia de tê-lo por aqui novamente, de alguma forma acredito que todos se sentem um pouco parte da sua vida e é como se vocês também fizesse parte de nossas vidas!
    Seja bem vindo de volta (com um ano de atraso mas tá valendo!).

    • http://www.manualdocafajeste.com cafa

      :)

  • Cat

    Desejando aqui encontrar o Cafa no Tinder qualquer dia desses kkkkkk Minha historia com o blog é como algumas relatadas por outras leitoras… li há algum tempo atras e agora q voltou a ativa, voltei a acompanhar. Adoro a opinião sincera e suas historias pessoais. Precisa escrever mais…. sentimos falta rs

  • http://www.andandoporaii.blogspot.com Marcela

    KKKKK. Que desespero dessa menina. Às vezes fico pensando: seria tão bom se pudéssemos falar a verdade pras pessoas e ajudar elas. Tipo: Não use mais aquele creme, não use longo pra um primeiro encontro e não mande e-mail romantizando se o outro não deu sinal de romance. Eu algumas vezes tentei ser legal e falar a verdade quando um cara me pressionou perguntando por quê eu sumi, por quê não respondi etc. Disse que ele tem que esperar o feedback da pessoa e não mandar 10 mensagens antes de receber uma resposta, pro outro eu disse que me sentia pressionada. E o que eu ganhei? O ódio eterno deles… Eu, em contrapartida adoro quando são sinceros comigo e juro que não me ofendo. Mas simplesmente quase ninguém o é.