RELACIONAMENTO 6 de novembro de 2015

Sexta das leitoras – Pulando etapas

7811505-Cute-Sheep--Stock-Photo-sheep-cartoon

Antes de iniciar a história, gostaria de deixar claro que não faço aqui um papel de psicólogo, nem que a minha resposta seja a solução definitiva para os problemas amorosos. Mas uma vez que pedem a minha opinião, eu não vou ser politicamente correto e evitar assuntos polêmicos. Dou a minha impressão com base nas informações passadas, o que eu pego nas entrelinhas, e claro, com as experiências que possuo sobre relacionamento.

Vamos lá:

”Oi Cafa! Descobri seu blog no meio da minha adolescência e ele me ajudou muito na época. Hoje tenho 23 anos, casada há 5 anos e com alguns problemas.

Quando conheci meu marido, tava numa fase de pegação total. Tinha 18 anos e no segundo ano de faculdade. Mas quando o conheci me deslumbrei, foi amor à primeira vista

Cafa > Já falei isso em outra Sexta das leitoras e volto a repetir. Essa fase dos 18 aos 24 é uma das mais bacanas para curtição (como festas, relações casuais, etc). E no meu ponto de vista, fundamentais para a pessoa acumular experiência, estar mais madura para um relacionamento sério e não se arrepender depois de não ter vivido essa fase.

No seu caso, você interrompeu-a praticamente no início. Não apenas há certo arrependimento de não ter curtido mais, mas aos 18 você não tem maturidade suficiente para um plano de vida a dois e outras decisões mais sérias (como carreira).

Ele é 14 anos mais velho que eu, mas nunca me importei com isso, sempre me interessei por homens mais velhos. O cacei no facebook, joguei meu charme e consegui ‘laçar’ ele. Duas ‘ficadas’ depois me pediu em namoro, aceitei e cinco meses depois estávamos nos casando na Igreja de véu e grinalda e tudo que eu tinha direito. Após me casar larguei a faculdade e meu emprego para poder me mudar para a cidade dele. Atualmente trabalho com ele.

Cafa > Desculpe, mas tudo errado. Entendo que paixões possam ser avassaladoras, mas primeiro você, depois o resto. Paixão passa, a sua vida fica.

O cara está com a vida estabelecida, formado e com experiência/vivência. E você? Não é independente (ou melhor, agora depende indiretamente do cara), não se formou e largou o emprego pra viver em função de um amor.

Para um cara (que na época tinha 32 anos) casar-se com uma menina de 18 anos em 5 meses, a sua principal moeda de troca era a cama (e provavelmente um bom corpo). Só que isso não sustenta nenhuma relação.

No primeiro ano de casamento era as mil maravilhas. Não dizendo que hoje não seja, ele sempre faz tudo o que quero e me da de tudo também, mas em relação a nossa vida amorosa tá lá em baixo. Nos últimos anos posso contar nos dedos às vezes que tivemos relações sexuais, e beijos então nem se fala.

Cafa > Há um estudo que diz que a paixão (essa coisa carnal, de cama) dura até dois anos. Não é que depois disso cessa e ninguém mais transa, porém o que sustenta uma relação é o carinho, a admiração mútua e respeito. A frequência do sexo diminui, mas a qualidade aumenta. Creio que foi aqui que a sua relação começou a tropeçar, pois pelo visto ela sempre esteve calcada apenas na paixão.

Uma coisa me chamou a atenção na sua frase: “E me dá de tudo também”. Se a vida amorosa não está legal, entendo que esse “dar” esteja relacionado a bens materiais. Espero estar enganado, mas se for esse o sentido, não acho que é uma forma saudável de mensurar a qualidade de uma relação ou pessoa.

Estou tendo problemas para engravidar, então toda vez que estou ovulando eu falo com ele e fazemos sexo, mas parece que ele está ali só como doador de esperma, não sinto nada, e ele não parece à vontade essas vezes. Eu sei que é uma pressão e tal, mas é o único jeito. Não sei mais o que fazer com relação a isso. Faço jantar romântico, durmo com lingerie sexy, fico provocando ele, me jogo pra cima dele e nada. E quando eu pergunto a ele só diz que está cansado.

Cafa > Você não acha que está pisando muito forte no acelerador da sua vida? Você mal cursou a faculdade, saiu e foi casar. Você mal se casou, passou a enfrentar problema na relação e agora quer engravidar (com 24 anos). Não ficaria surpreso se daqui 4 anos você quisesse se aposentar.

Por que você não resolve um problema para não ter que cuidar de dois? Com um filho, a sua relação provavelmente vai piorar (já que a atenção será dividida com a criança).

Jantar romântico e lingerie sexy apimentam apenas a venda da revista Claudia. Vejo um problema e solução mais estrutural aqui.

Eu sei que ele não me trai, mas queria saber o que pode estar acontecendo. estou ciente que ele trabalha demais é do escritório para a fazenda e vice-versa. Mas isso cansa. Estou nova, com os hormônios à toda e não posso dar aquela ‘aliviada’ do jeito certo. Fico vendo minhas amigas todo final de semana com caras e indo para motéis, e fico com saudades dessa minha fase e com inveja delas. Já dormi com muitos caras e sinto falta à beça, será que to errada em ficar sentindo falta de outros caras??

Cafa > Claro que não, tu é nova, mas está errada de conduzir e encarar uma relação com uma miopia que raras vezes vi no blog.

Ai Cafa, por favor me ajuda! Me dê umas ideias pro meu marido voltar a ser o quer era, estou quase voltando a ser virgem de novo, rsrsrs. Sei que todo mundo pensa que casa para não ficar sem sexo, mas no meu caso está sendo o contrário.

Cafa > Pelos fatos apresentados, na minha opinião quem precisa mudar aqui é você, não o seu marido. Essa desculpa de “estar cansado” é a versão masculina para o “estou com dor de cabeça”.

Como eu disse, o cara te conheceu muito nova e por mais que você seja uma pessoa super agradável, o que chamou a atenção dele provavelmente foi o teu físico e sexo. E novamente, não sustentam relação no longo prazo.

Outra possibilidade menor, eu não vi sua foto, mas se ele casou com uma garota magra e nesses 4 anos você ficou obesa, isso também influencia na falta de apetite sexual. Porém, não me apegarei a esse fator, pois não tenho informação. Fica apenas como possibilidade.

As coisas aconteceram rápido demais. Cinco meses entre conhecer uma pessoa e se casar é pouco. Você mal conhece os defeitos, não teve convivência, não viu como é a rotina.

Talvez haja alguma qualidade que ele viu em você na época que se conheceram que agora não existe mais ou algum defeito que ele descobriu e tem o desgastado. Ela conheceu uma garota cheia de energia, que não estava próxima fisicamente, que tinha o seu emprego próprio e estudava; e agora tem uma esposa-funcionária que está o dia inteiro ao lado dele inovando no jantar para seduzi-lo. É uma mudança imensa.

Minha sugestão é que você segure um pouco essa ideia de ter filho até que a relação esteja melhor e termine a faculdade. Feito isso, seria bacana arrumar um trabalho que não seja com o cara. Você precisa desvincular-se um pouco dele, pois essa relação está mais para pai e filha que esposa e marido.

______________________________________________________________________

Quer mandar a sua história para a sexta das leitoras? Não posso garantir que responderei todas, mas se for algo interessante e resumido, as chances aumentam. É só enviar para cafa@manualdocafajeste.com

  • Michele Siqueira

    Minha história é bem parecida, tenho 23 anos e casei aos 19.Casei exatamente com 5 meses de namoro também! Parecia nas primeiras linhas que alguém havia roubado minha história…
    Sorte que meu marido me ajudou demais a crescer, continuei faculdade, quero mudar de profissão e ele está me ajudando nisso. Ajudei ele a crescer também de forma que acredito que ambos nos respeitamos e admiramos nesse caso.
    O carinho, o companheirismo e a amizade que temos hoje, vale mais que a paixão do inicio.

  • Rayne

    Acho que a mulher pode até se relacionar nessa fase dos 18/24 mas ela jamais deve abrir mão dos estudos/carreira por causa de um relacionamento…A mulher deve buscar acima de tudo a sua independência!
    Cafaaaa Parabéns! Adorei seu posicionamento!

  • Vanessa

    Ihhh… Também pulei etapa. Comecei a namorar aos 16. Casei aos 22 e aos 26 me divorciei. Marido maravilhoso. Casamento perfeito, mas eu precisava ser a adolescente que não fui.
    Era presa pelos meus pais e passei a ser presa pelo marido, q por ser mais velho tbm, tinha um cuidado excessivo comigo. Hj costumo dizer q tive duas criações: uma dos meus pais e outra do meu ex marido. Tbm tínhamos essa relação paternal. Sexo era raro e eu achava até q eu não gostava. Eu nem ligava se tinha ou ñ. Hj tenho 32 anos, to.solteira e ñ consigo me imaginar tendo um homem dormindo ao meu lado.todos dias sem transar, pelo menos, antes de dormir.
    Sinto mto, mas nesse passo, o.relacionamento ñ tem futuro. A ñ ser q consigam o tal filho e viverão pra isso… Infelizmente!

  • joyce messa

    Cafalindo, publica minha história e me dá uns esporros também HAHAHAHAHA

  • indy

    Cafa adoreiii sua dica final, é o q eu falaria também. Eu tenho 24 anos, sou servidora publica, moro sozinha, tenho carro, sabe coisas que agora me permitem, ou não, de casar e ter filhos, ou talvez se eu quiser, viajar e conhecer o mundo!! Não sei, acho que não temos um modo de vida certo de viver, mas devemos pelo menos criar possibilidades de viver da forma que merecemos!! Pois então amiga, se preocupe com vc, vai estudar, arrume um emprego fora, saia com suas amigas, não deixe seu marido de lado, claro, mostre-se sempre companheira, mas não mais um filho pra ele… bjs

  • Fernanda

    Eu não acho que deva evitar relacionamentos sérios entre os 18/24, ficar “esperando passar” a vida e assim quem sabe conhecer alguém para começar um futuro juntos.
    Viver é aproveitar cada momento ao máximo… talvez com 18 anos, 35, 22, 50… conheça uma pessoa que traga paixão, loucuras, prazeres, aprendizado etc.
    Não tem idade certa para ser feliz, se com o tempo a relação não esteja mais dando certo, se separe, bola para frente, comece novamente e seja feliz, vivemos em um século que podemos recomeçar sempre que desejar.
    Concordo que “aparentemente” a relação não está boa e um filho neste momento não acertará o casamento, não na questão sexual, converse abertamente com ele e decidam o que faram juntos ou separados.
    Agora uma coisa concordo plenamente… minha querida, vc precisa de uma vida “além” do seu marido ou casamento, um trabalho independente, amigos independentes, ele não pode ser o centro do seu mundo!

  • Mel

    Cafa, sábio conselho.
    Se um dia eu tiver filhos, vou proibi-los de namorar, pelo menos, até que se formem na faculdade =)

    E.. essa coisa do “me dá de tudo” e “do escritório pra fazenda” soou estranho só pra mim!?

    Enfim.. adoro todos os seus posts e, principalmente, o seu jeito de escrever.

    Beijos!

  • Barbara Gomes

    Tbm gostei muito das palavras do Cafa. Acho que o problema central é mesmo o que a maioria disse aqui. É fazer do marido e do casamento o centro do universo, largando emprego, faculdade, vivendo em função do marido e se esquecendo da SUA vida, dos SEUS planos. Acho que não é por aí. Talvez se você focasse nos outros itens da sua vida, além da parte amorosa, sua relação não estivesse tão desgastada. E casamento é coisa séria. Conviver com alguém todos os dias não é fácil. É preciso paciência, auto conhecimento, maturidade e um tempo razoável de namoro para conhecer o outro e solidificar o relacionamento. Na minha opinião, 5 meses é muito pouco tempo pra tomar uma decisão como essa. A probabilidade de não dar certo é bem alta.

  • Tai

    cafaaaa, você está muito sumido! Voltaaaa! Cria um canal no YouTube ou um Snapchat pra gente te acompanhar! Faz igual o Zangado, não mostra o rosto. Bjos! Posta mais!

  • Elen Tolentino Ogando

    cafa, cade vc?? saudades

  • Kika

    Algumas mulheres acham que quando o relacionamento de casal não vai bem, a solução é ter filhos. Ledo engano!
    Concordo com o Cafa! O que ela deve fazer é: voltar a estudar, trabalhar ( na minha opinião que não seja trabalhando com ele) e parar de achar que ter filho vai resolver a situação.

  • Cristina Sanchez

    Concordo em núm, gênero e grau….rs
    Qdo li que pensava em ter filho, quase gritei! Nãããããooo…. O mundo já tá cheio de filho mal amado…

  • Elaine

    Como sempre, você disse tudo.E pelo amor de deus não tenha filhos pois isto muda a melhor das relações.

  • Jack mello

    a minha ,história é a seguinte:aos treze tive um namorico e primeira vez, pois bem,até que conheci o Andrade ,onze anos mais velho,eu com 15 e ele 26 rolou esse lance de paternalismo e coisa e tal,ele cheio de dedos pois meus pais eram separados,tinha um medo louco de ir pra cama comigo,namoramos por dois longos anos e nada, então terminei com ele sai de vitória e vim pra minas ,depois de oito anos ele casado e eu também ,nos reencontramos e não é que rolou,rsrsrsrsr,ficamos nesse pique esconde por mais oito anos,me apaixonei,amei com todas as minhas forças,e ele nada de separar-se para ficar comigo,embora não tivesse prometido,era o que eu esperava dele,até hoje sofro pelo meu neguinho.